Venom: Uma alegoria para relacionamentos abusivos

A Sony finalmente liberou o trailer da sequência de “Venom” (2018), hoje pela manhã. Com o nome de “Venom: Let there be a Carnage” que promete trazer o simbionte Carnificina. Enquanto o filme ainda não lança, está previsto para chegar aos cinemas em 2021, vamos conversar um pouco sobre o primeiro longa.

A trama traz Eddie Brock (Tom Hardy), um prestigiado jornalista investigativo sensacionalista que possui seu próprio programa de tv e que está sempre em busca de um furo. Com uma índole de bom moço que sabe onde achar as brechas certas, inicia sua apuração sobre experimentos que utilizam humanos de cobaias através de uma entrevista com Carlton Drake (Riz Ahmed), criador da Fundação Vida.

Brock aproveita uma noite em que sua namorada Annie Weying (Michelle Williams) deixa seu computador fácil e acessa documentos confidenciais dela. Annie é advogada e sua empresa estava cuidando de algum caso que envolvia a instituição. O repórter tenta divulgar a descoberta em sua emissora, porém, tanto ele quanto a namorada acabam demitidos. A vida de Eddie então, vira de cabeça para baixo. Sem emprego e sem esperanças de conseguir um trabalho tão cedo, a namorada o deixa e ele tem de se mudar para um pequeno apartamento em São Francisco.

Pôster de divulgação de Venom (2018)
Foto: Reprodução/Sony Pictures


Já não bastando isso, Brock resolve seguir a pista dada por uma das cientistas do laboratório, Dora Skirth (Jenny Slate), que o infiltra no lugar onde os experimentos são realizados. O jornalista registra tudo o que pode com o celular, entretanto algo dá errado quando ele encontra uma moradora de rua conhecida sua e que ele sempre ajuda, Maria. Ela é uma das cobaias dos experimentos e se encontra presa em um tipo de cela, Eddie tenta ajudá-la porém sua reação não é das melhores. Assim, Venom encontra o repórter e os declara feitos um para outro, numa relação um tanto… complicada.

“Nós somos Venom.” – A confusão entre simbiose e parasita, amor e abuso

Então a produção passa a mostrar a relação entre Venom e Eddie. Essa que está longe de ser simbiótica, visto que de acordo com a biologia, relações simbióticas se caracterizam por ser harmônicas. O alienígena tenta sobreviver por meio do corpo do repórter, uma vez que solto na natureza  não consegue se alimentar de forma adequada. O comportamento de Eddie Brock começa a mudar, Venom o faz realizar coisas contra a sua vontade, em favor da sua sustentação no planeta. Portanto, a relação entre Brock e Venom é parasita, já que um prejudica o outro.

Já um relacionamento abusivo se caracteriza por controle de um parceiro sobre o outro, seja de suas atitudes, suas amizades ou vestimenta. Possessividade, como se um fosse propriedade do outro(a) e como se não tivesse ninguém melhor para você do que aquela pessoa. Além de mexer com sua autoestima, nada que você fala, veste ou faz, é bom. Pelo contrário, qualquer atitude contrária a vontade de seu companheiro (a) é encarada de modo hostil. E essas atitudes podem render agressões tanto físicas como verbais.

Cenas de Venom
Foto: Reprodução/Sony Pictures

No filme, o alienígena utiliza da força física para que Eddie faça coisas absurdas como comer lixo ou entrar em um aquário de lagostas de um restaurante. O jornalista pensa estar entrando um estágio de esquizofrenia, já que não consegue ter controle sobre os próprios atos e ações. Até que ao longo do filme, Venom se mostra para Brock e explica como foi parar na Terra, fazendo-o crer que está cheio de boas intenções de salvar o planeta dos outros alienígenas de sua espécie.

Venom é considerado, segundo ele mesmo, um dos mais fracos de sua raça, por isso encontra na Terra e em Eddie uma possibilidade de se fazer superior. Assim,  como em um relacionamento abusivo, em que um companheiro(a) se sente superior ao outro(a). É desse modo que ele constrói sua relação com Eddie, fazendo acreditar que tudo aquilo, mortes, manipulação, no fim não tem problema, já que é para o bem do planeta.


Cena do filme Venom
Foto: Reprodução/Sony Pictures

Quando na verdade, a real intenção é dominar a Terra e possuir uma fonte quase infinita de alimento, o ser humano. Além disso, a presença de Venom prejudica a saúde física do jornalista. Em um certo momento do filme em que Brock realiza exames para saber o que há de errado com seu corpo,  quando ele ainda não tinha ciência da presença do parasita, lhe é revelado que alguns de seus órgãos estão falhando. O jornalista percebe a gravidade do problema e se utiliza da máquina de ressonância, antídoto contra o alien, para retirá-lo do seu corpo. Venom se revolta e tenta mais uma vez manipular Eddie, apelando para o risco que a humanidade sofre com a possível vinda de seus irmãos ao planeta.

Ele acaba dando um jeito de voltar para o corpo de Eddie e não sai mais.Da mesma forma  como um relacionamento abusivo, Venom se aproveita do momento em que Eddie está passando para seduzi-lo. O alienígena se utiliza do passado do jornalista, infância complicada onde além de sofrer bullying, segundo a saga Venom – Origem Obscura,sentia culpa pela morte da mãe. Brock tentava facilitar sua vida conforme ia crescendo, mas nem sempre ir pelo caminho mais fácil dava certo. Através desses artifícios, Venom seduz Brock tanto nas histórias em quadrinhos, como no filme.  O extraterrestre no filme se aproveita mais do momento, mas sempre que pode recorre ao passado enterrado no subconsciente do jornalista.

Cena do filme Venom
Foto: Reprodução/Sony Pictures

No final do longa, Venom e Eddie já se consideram um, e o jornalista ignora todos os aspectos ruins de possuir um alienígena em seu corpo. Uma vez que ele se sente no controle, por ter um acordo com Venom de não comer todo ser humano que ver, somente os considerados  ruins. Como a narrativa não o traz como vilão, não teria como haver um final diferente, entretanto, nas histórias em quadrinhos e no primeiro filme em que Venom apareceu, Homem Aranha 3, o extraterrestre consome o consciente de Brock de tal forma que ele nunca mais volta a ser o mesmo. Presos um ao outro, o jornalista pensa que precisa de Venom para sobreviver e vice-versa, em um equilíbrio estranho e doentio.

Do mesmo modo em um relacionamento abusivo, em que o companheiro(a) faz o outro (a) crer que um não pode viver sem o outro. Utilizando de fatores semelhantes aos que Venom utiliza para seduzir Eddie, visto que geralmente as vítimas vêm de famílias complicadas, onde há a  ausência de um dos pais, infância difícil. São pessoas que precisam de carinho e atenção e os têm da forma errada. É preciso ficar atento, pois amor não é sobre controle, possessão e atender a vontade de uma das partes, é sobre companheirismo, afeto, apoio. Não confunda Venom com Homem Aranha, nem o contrário.

Um comentário sobre “Venom: Uma alegoria para relacionamentos abusivos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s